Conselhos e dicas para obter informações

Como este roteiro é necessariamente incompleto, é necessário muitas vezes procurar informações mais pormenorizadas para além das que estão aqui contidas. Nesta secção iremos dar algumas ideias sobre o modo de o fazer. Antes de iniciar uma pesquisa de informação, pense bem no objectivo que tem em vista. Tente definir que tipo de informação precisa exactamente e porquê. Tente ser o mais pormenorizado possível, mesmo sabendo que tal é difícil numa primeira fase. Quanto mais conseguir restringir os objectivos e dividir uma tarefa em sub-tarefas, mais fácil será a procura e maior probabilidade terá de ser bem sucedido. O primeiro passo a dar é reunir a melhor informação escrita, em revistas, livros ou na Internet, na área de interesse. Embora muita informação relevante seja obtida através do contacto com especialistas, não é aconselhável começar por falar com eles. É preferível aprender primeiro algo sobre o assunto. Desta forma, quando falar com uma "autoridade" na matéria, estará suficientemente informado para colocar as perguntas relevantes e aproveitar ao máximo a conversa. Organize a informação que vai recolhendo. Disponha-a em pastas e dossiers, ordenando os documentos por assuntos. Faça perguntas a si próprio sempre que conveniente e escreva--as. Não procure obter informação só numa pessoa ou numa instituição, mas antes procure confirmação e extraia as suas conclusões comparando a informação obtida de várias fontes. Use ao máximo o seu espírito crítico ao analisar a informação que reuniu. Algumas regras básicas são:
i) não acredite automaticamente em algo apenas porque alguém o disse ou apenas porque está escrito nalgum lado;
ii) procure confrontar uma informação ou opinião com outras e pese a credibilidade das fontes;

Identificação e contacto das pessoas certas

Mesmo que tenha reunido uma grande quantidade de informação escrita, uma conversa com alguém que trabalhe na área de interesse poderá ser preciosa. Encontrará essas pessoas sobretudo nas Unidades de Investigação e nas Universidades. Não suponha que os especialistas não lhe ligam; a maior parte das vezes essas pessoas ficam bastante satisfeitas em ajudar quem se lhes dirige. De uma forma geral:

Falar com os especialistas

 

Procurar informação na Internet

A Internet é uma rede que liga milhões de computadores em todo o mundo. Através dela podem enviar-se mensagens ou ter acesso à informação armazenada em muitos desses computadores. Para aceder à Internet é preciso um computador com modem, uma linha telefónica normal, e um contrato com um fornecedor de serviços da Internet (existem vários em Portugal: Esotérica, IP, Telepac, Clix, Netc, etc.). O preço a pagar depende do fornecedor (sendo alguns serviços gratuitos) e do tipo de chamada telefónica. A consulta de informação na Internet oferece muitas vantagens: rapidez, informação actualizada, pesquisas automáticas, versatilidade do suporte (pode imprimir-se ou copiar para disquete), inexistência de fronteiras, preço bastante baixo. Uma boa parte da informação contida neste guia foi obtida directamente da Internet. Além disso, este roteiro possui uma secção dedicada a recursos que existem exclusivamente na Internet. Se tiver acesso à Internet, deve começar por lá a pesquisa de informação, acedendo às páginas cujos endereços estão aqui indicados. Lembre-se que a Internet é um fenómeno novo, pelo que, em alguns casos, a informação acessível pode ser escassa, não dispensando a consulta de outras fontes. Dada a rápida expansão da Internet, convém ir "visitando" regularmente as páginas de interesse. Para saber mais sobre a Internet, consulte, por exemplo, o livro Roteiro Prático da Internet, José Magalhães, 2ª edição, Quetzal, Lisboa, 1997. Para aceder a milhares de endereços da Internet de documentos relacionados com a ciência, pode consultar o guia The Internet Science, Research & Technology Yellow Pages, Rick Stoute, Morgan Davis, Osborne - McGraw Hill, 1996. As principais formas de usar a Internet são:

World Wide Web (Teia Mundial de Informação)

Para poder consultar os mais de 500 milhões de documentos actualmente disponíveis na Internet, basta ter um browser (software de leitura de páginas WWW) e saber o endereço ou URL (Universal Resource Location) da página a consultar. Dada a vastidão de informação, a melhor forma de localizar o que se procura é recorrer a um sistema automático de pesquisa. Aí apenas se têm de fornecer palavras-chave que melhor identifiquem o tema a pesquisar. Existem vários sistemas desse tipo, entre elas o Altavista ( http://www.av.com/ ), o Hotbot ( http://www.hotbot.com/ ), e o Lycos ( http://www.lycos.com/ ). Se procura informação genérica sobre um tema, o melhor é usar catálogos como o Yahoo ( http://www.yahoo.com/ ), onde a informação está classificada e ordenada por temas. Em Portugal, existem, entre outros, o Sapo ( http://www.sapo.pt/ ), o AEIOU (http://www.aeiou.pt), e o Clix ( http://www.clix.pt/ ), que apresentam informação ordenada. Pode usar um motor de pesquisa baseado na tecnologia push para receber automaticamente informação personalizada e actualizada (por exemplo, o PointCast, http://www.pointcast.com/ , ou o Marimba, http://www.marimba.com/ ). Lembre-se sempre que os motores de busca só dão acesso a uma pequena parte da informação na Internet. Se estiver interessado em construir uma página pessoal, fornecendo informação a outras pessoas, pode alojá-la gratuitamente em vários locais. O programa Nónio ( http://www.dapp.min-edu.pt/nonio/ ) do Ministério da Educação possui um espaço destinado sobretudo ao alojamento de páginas das escolas secundárias, o projecto Terra à Vista ( http://www.terravista.pt/ ), que se iniciou no Ministério da Cultura, também aloja gratuitamente páginas relacionadas com a divulgação da cultura portugue-sa. Pode também recorrer ao Geocities ( http://www.geocities.com/ ), nos Estados Unidos, uma "cidade virtual" que é muito pouco restritiva quanto ao conteúdo das páginas. Newsgroups (grupos de discussão) Existem mais de 20 000 grupos de discussão sobre (quase) todos os assuntos. Pode ler e escrever para estes grupos sobre o que quiser desde que se respeite as regras próprias de cada grupo. A sua mensagem será lida em quase todo o mundo. Existem muitos grupos interessantes onde se fala de temas relacionados com ciência, como, por exemplo, pt.ciencia.geral, sci.astro, sci.bio, sci.med, sci.physics. Atenção: a língua usada nestes grupos é quase sempre o inglês! Em http://www.dejanews.com/  existe uma grande base de dados de artigos publicados em quase todos os newsgroups. Pode também usar esta página para enviar mensagens aos grupos.

Email (correio electrónico)

O email é uma forma rápida, flexível e barata de enviar e receber mensagens, não somente texto, mas também imagens, sons, vídeos, etc. Note que para receber as mensagens não é preciso estar ligado à Internet! Os endereços de email têm a forma nome@endereço, em que nome é o nome do utilizador, e endereço é o endereço da máquina onde este utilizador está ligado (por exemplo: vieira@teor.fis.uc.pt). Existem boas listas que contêm endereços electrónicos de vários milhões de pessoas em todo o mundo, e que estão disponíveis na Internet (por exemplo http://www.whowhere.com). Existem alguns locais que oferecem uma caixa de correio gratuita, por exemplo http://hotmail.com/  ou http://yahoo.com/. Em português existem vários, por exemplo, o http://www.mail.pt/, o http://www.email.pt/ e o http://www.portugalmail.pt/ .

Mailing lists

São listas, relativas a um certo assunto, através das quais se pode divulgar automaticamente mensagens de email a todas as pessoas inscritas. Veja o catálogo de mailing lists em http://www.liszt.com/ .