Gradiva - Colecção Ciência Aberta

Para ver recensão do livro clique aqui

Título: A NOVA ALIANÇA

Autor: Ilya Prigogine e Isabelle Stengers

Colecção: Ciência Aberta - 14


A Nova Aliança é um dos livros que marcam uma época. Um dos fascínios da sua leitura é o de reencontrar, a propósito das concepções da natureza e dos processos do seu conhecimento científico, problemas centrais com que se têm debatido as ciências sociais. Também para os que destas se ocupam, o livro de Prigogine e Stengers constitui uma referência imprescindível. Reflexão profunda sobre a ciência e as suas metamorfoses, A Nova Aliança impressiona pela lucidez, clareza e segurança tranquila da argumentação.

António Firmino da Costa, Instituto Superior de Ciências Sociais e das Empresas

Quase todos nós fomos vítimas do divórcio entre as "duas culturas". Mas, em dada altura recente, os diques começaram a ceder: a ciência descobriu o gosto da comunicabilidade, da filosofia e mesmo da especulação; a literatura, via ciências humanas, interessou-se pela epistemologia e pela filosofia da ciência. Para além dos equívocos, ou das seduções precipitadas, criou-se um espaço de entendimento, reconhecimento e interacção. O livro de Prigogine e Stengers é, nesta perspectiva, um livro percursor e fundamental. A "nova aliança" é uma transformação estrutural das nossas bibliotecas.

Eduardo Prado Coelho, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Quão pouco se falava do tempo! Não do tempo matemático, mecânico ou relativista; esse tempo é "intemporal". Sim do tempo que marcam os relógios químicos ou biológicos, os relógios da complexidade e da evolução. Neste livro de Prigogine (Prémio Nobel da Química) e Stengers vemos como a ciência abandona a via única do reducionismo para descobrir que o todo pode não resultar da soma das partes; há leis cooperativas que escapam ao controle de individual e estão na origem das estruturas organizadas e, um pouco mais além, da pré-vida, onde o acaso e a necessidade desempenham, afinal, um papel já suspeitado por Monod.

J. Félix Gomes da Costa, Universidade dos Açores