Gradiva - Colecção Ciência Aberta


Título: O FOGO DE PROMETEU

Autor: Charles Lumsden e Edward Wilson

Colecção: Ciência Aberta - 16


Quando surgiu o livro Sociobiology - The New Synthesis, em 1975, a sociobiologia foi acolhida como uma ciência nova e revolucionária. Nessa hora de entusiasmo de "descoberta", E. O. Wilson escreveu mesmo: "Uma das funções da sociobiologia é, pois, reformular os fundamentos das ciências sociais [...]." E a resposta dos especialistas das ciências sociais não se fez esperar, nomeadamente a de M. Sahlins que refutou a ideia de que as ciências sociais pudessem ser integradas no esquema biológico.

O enorme interesse suscitado e a veemência das críticas explica-se também pela utilidade aparente da nova tese para as ideologias conservadoras. Aparente e, aliás, contrariada pelo próprio Wilson. E em registos mais objectivos e circunscritos o debate tem continuado. E em Portugal? O que se sabe? O que se discutiu? O que se avançou?

Aqueles que se esforçam presentemente por descobrir o curso seguido pela evolução humana estão de acordo quanto a considerarem que nada pode ser retirado dos modelos actualmente construídos pelos sociobiologistas. Mas não estão de acordo quanto à utilidade futura desses modelos evolucionistas.

O Fogo de Prometeu, uma obra escrita por um E. O. Wilson já distanciado da visão inicial, "orgulhosa" e totalizadora, é um livro relativizante e construtivo que surge, assim, cheio de interesse, a vários títulos, para várias disciplinas, da biologia às ciências sociais.

Qual é a origem do pensamento humano? Como surgiu? Charles Lumsden e E. O. Wilson atribuem o aparecimento do pensamento à co-evolução da cultura e dos genes, apresentando respostas originais que revelam simultaneamente do pensamento criativo e da ciência.