Metalurgista americano, nascido em Thompson, Ohio, a 6 de Dezembro de 1863 e falecido a 27 de Dezembro de 1914, em Daytona, Florida.

Nos seus tempos de estudante, em Oberlin College, interessou-se pela investigação do alumínio, metal que na época apenas se encontrava disponível em quantidades limitadas e a preços demasiado elevados para um uso industrial generalizado. Hall sentiu que seria possível através de um método electrolítico produzir grandes quantidades a um custo inferior, e fez deste problema o tema da sua tese de licenciatura.

Os seus resultados experimentais foram tão prometedores que o seu pai lhe equipou uma pequena oficina para que pudesse continuar as suas investigações. A 23 de Fevereiro de 1886, menos de um ano após a sua graduação, fez as primeiras pepitas de alumínio, através da electrólise de uma solução de bauxite, num sal fundido. Apesar dos seu sucessos, não conseguiu chamar a atenção para este novo metal a um dólar a libra, mas finalmente, em 1888, Hall estabeleceu contactos com a Companhia de Redução de Pittsburgh que se viria a transformar na Companhia de Alumínio da América. Hall foi vice-presidente desta companhia até à sua morte.

O método foi descoberto, quase ao mesmo tempo, pelo jovem metalurgista francês Paul Louis Toussaint Héroult, que conseguiu desenvolver uma fornalha eléctrica mais eficiente que a de Hall. Os dois jovens tornaram-se amigos, e juntos aperfeiçoaram o processo de Hall-Héroult, no qual é baseada a moderna indústria de alumínio.

Hall venceu a medalha de Perkin pelas suas descobertas em Química aplicada.