Berílio


Acção Biológica

Sob certas circunstâncias a inalação de pó, fumo ou vapor de berílio pode ser prejudicial à saúde. Além disso, os sais solúveis de berílio podem produzir uma dermatite quando em contacto com a pele. Não há contudo nenhum problema quando ingerido. Existem três doenças associadas causadas por este elemento; uma doença respiratória aguda, outra crónica e dermatites.

É um dado adquirido que a doença aguda é causada pela exposição a poeiras ou fumos de sais solúveis de berílio, especialmente o fluoreto de berílio e por vezes o sulfato. Esta enfermidade, que é similar às causadas à exposição ao fosfogeno, ou óxidos de azoto, tem um período latente relativamente curto (alguns dias).

Devido à singular variância do período de latência, a doença crónica provocada pelo berílio ( berylliosis) é um problema importante nos meios industriais. Contudo, a partir de 1949 não foram diagnosticados novos casos de berylliosis. Para minimizar o perigo proveniente da exposição ao berílio, devem ser efectuados exames médicos periódicos, que devem incluir, para além de outras coisas, exames radiológicos toráxicos.

A dermatite surge na consequência do contacto da pele com sais solúveis de berílio, especialmente o fluoreto, podendo provocar irritação da pele, do nariz, da garganta e dos olhos. Podem, também, desenvolver-se granulomas na pele. A dermatite pode ser controlada através de um programa de boa higiene pessoal, lavagem frequente das partes expostas do corpo, assim como pela utilização de roupa adequada, de preferência lavada no local de trabalho. Esta prática também evita que resíduos de berílio sejam transportados pelo trabalhador para fora da fábrica, prevenindo assim exposições não ocupacionais.