Silício


Ocorrência

O silício ocorre na Natureza combinado com o oxigénio, na forma de dióxido de silício, e com oxigénio e diversos metais, na forma de silicatos, nunca se encontrando isolado. No seu conjunto, os silicatos e a sílica, representam 60 % da crusta terrestre. O tetraedro SiO4 é a unidade estrutural primária de todas estas substâncias. Na verdade, os silicatos são um grupo de compostos muito extenso, surgindo da combinação de iões metálicos ou iões negativos bastante complexos com unidades SiO4. Existem silicatos minerais de quase todos os 42 metais e não metais para além das terras raras.

O dióxido de silício, vulgarmente chamado sílica, é um dos mais importantes compostos de silício que ocorre na Natureza, surgindo em três formas cristalinas distintas: quartzo, tridimite e cristobalite. Estas duas últimas encontram-se apenas em rochas vulcânicas e não têm aplicações industriais. Aquando do teste da primeira bomba atómica no Novo México surgiu outra forma cristalina de silício: a keatite. O quartzo é muito comum e ocorre no granito, na areia e em arenitos. É uma subtância piezoeléctrica utilizada para estabilizar circuitos amplificadores, para medir potenciais eléctricos muito elevados (milhares de volts) ou para medir pressões instantâneas muito elevadas. Surgem na Natureza cristais de quartzo suficientemente grandes e puros para serem utilizados com fins ópticos.

Também ocorrem diversas formas de sílica amorfa com água, tais como a opala ou a geyserite. Destas destaca-se a opala negra da Austrália, uma das pedras preciosas mais valiosas.