Cobalto


A palavra "kobalt" ocorre nos escritos de B. Valentine e Paracelcus para denominar um duende imaginado pelos Teutões e Escandinavos que assombrava as minas, destruindo o trabalho dos mineiros e dando-lhes problemas desnecessários. A palavra deriva do alemão "kobald", um espírito malévolo. Em algumas regiões mineiras, eram feitas orações para proteger os mineiros desses "kobalds" e outros espíritos malignos.

O termo foi aplicado aos chamados "minérios falsos", i.e. minérios que não forneciam metais quando eram submetidos a processos de extracção. O termo foi gradualmente confinado aos minerais usados para a coloração de vidro azul e que ainda são utilizados na fabricação de esmaltes. Em 1735 Brandt refere que os princípios responsáveis pela coloração azul eram devidos à presença de um metal ou semi-metal a que ele chamou "cobalt rex", daí a designação de "cobalto". Brandt isolou este metal em 1742.