Zinco


História

Existem ornamentos de zinco que datam de há 2500 anos, embora sejam bastante impuros uma vez que somente 80 a 90 % dessas peças são efectivamente zinco. Actualmente consideram-se esses achados arqueológicos como sendo ligas de zinco com chumbo contendo impurezas de ferro e antimónio.

A primeira extracção e fundição do metal impuro foi levada a cabo na China, por volta do ano 1000 d.C. Foi somente no século XVII que chegou a primeira barra de zinco ao Ocidente, historicamente muito tarde se compararmos com o ferro, o cobre ou o chumbo. Nessa época o metal ainda não tinha um nome universalmente aceite, sendo conhecido como tutanego, estanho indiano ou calamina (óxido de zinco), consoante a região. O termo "Zink" foi usado pela primeira vez por Löhneyes, em 1697. No século XVIII foi construída uma fundição de zinco em Bristol, na Inglaterra, tendo em 1758 sido patenteado o processo de obtenção de zinco a partir de blenda e sulfureto de zinco, que é a base do actual processo de destilação para obter o elemento. Existe também o processo electrolítico de obtenção de zinco, que foi introduzido em 1916 nos EUA.