Gálio


Termómetro
Memórias de computador, circuitos integrados
Transistores, díodos laser
Detector de tumores

Aplicações

Quando o gálio foi descoberto pensava-se que o metal teria vastas aplicações devido às suas propriedades singulares; é relativamente inerte, não tóxico, com um ponto de fusão pouco acima da temperatura ambiente e um ponto de ebulição perto dos 2400 ºC. Durante algum tempo pensou-se em aplicar o gálio como líquido isolante em sistemas de vácuo, em reactores nucleares ou em próteses dentárias. No entanto, não foi uma propriedade física, mas sim uma química, que determinou o seu primeiro uso importante. O gálio foi usado na análise espectroscópica de óxido de urânio em estudos da Comissão de Energia Atómica.

A aplicação mais importante do gálio é, sem dúvida, na indústria de produção de semicondutores. Durante muitos anos produziram-se semicondutores elementares de silício e germânio. No entanto, descobriu-se a possibilidade de fabrico de semicondutores com base em compostos de elementos dos grupos III e V. Destes compostos destacam-se os de gálio com antimónio, arsénico e fósforo, embora, actualmente, seja o arsenieto de gálio (Ga-As) o mais utilizado. Este composto é usado para produzir uma miríade de dispositivos electrónicos como os díodos, que servem para rectificar tensões, os LEDs, ou os transístores, que servem, por exemplo, para amplificar sinais. Sensores de temperatura, luz e campos magnéticos são ainda exemplos de dispositivos que utilizam as propriedades semicondutoras deste composto. É também possível produzir lasers e geradores de microondas com base no arsenieto de gálio.