Arsénico


História

O arsénico é encontrado na Natureza pelo homem desde a Antiguidade. Já Aristóteles referencia o sandarach (trisulfureto de arsénico) no quarto século antes de Cristo. No séc. I d.C. Plínio afirmou que o sandarach podia ser encontrado nas minas de ouro e prata e que o trióxido de arsénico é composto da mesma matéria que o sandarach. No séc. XI eram conhecidas três espécies de arsénico: a branca, a amarela e a vermelha, conhecidas respectivamente por trióxido de arsénico, trisulfureto de arsénico e disulfureto de arsénico (realgar).

É atribuída a Albertus Magnus a descoberta do arsénico metálico no séc. XIII. No entanto, a documentação que deixou é considerada vaga. Foi só em 1649 que J. Schroder relatou claramente a preparação de arsénico metálico por redução de trióxido de arsénico com carvão. Trinta e quatro anos mais tarde, N. Lemery também observou a possibilidade de produção de arsénico metálico por aquecimento de trióxido de arsénico com sabão e potassa. No séc. XVIII as propriedades do arsénico "metálico" eram já suficientemente conhecidas para o classificar como semimetal.