Neodímio


Em Junho de 1885, o barão von Welsbash anunciou, perante a Academia de Ciências de Viena, a separação da didimia em duas novas terras raras, através do repetido fraccionamento do nitrato de amónio de didimio. Ele propôs os nomes de praseodímia (gémeo verde) e neodímia (novo gémeo) para estes novos compostos. Apesar do cepticismo de muitos químicos, Robert Bunsen, um antigo professor de Welsbash, reconheceu a legitimidade desta separação. Nem a neodímia nem a praseodímia foram decompostas em óxidos mais simples.