Rénio


Quando Mendeleev compilou o seu primeiro quadro periódico, deixou dois lugares vagos no grupo do manganésio, que durante muito tempo constituiu o único elemento conhecido deste sub-grupo. O trabalho de Moseley confirmou a existência destas duas lacunas correspondentes aos números atómicos 43 e 75. Uma destas lacunas só viria a ser preenchida em 1925 por W. Noddack, Ida Tacke e O. Berg ao examinarem o espectro de raios X de certos minérios de platina e nióbio. A este novo elemento chamaram "rénio", designação derivada do nome latino do Reno (Rhenus).

Quatro anos após a sua descoberta, 1 g de rénio foi isolado a partir de 660 g de molibdenite. Pouco tempo depois, as suas propriedades começaram a ser estudadas intensivamente e a sua produção começou na Alemanha.