Frâncio


O frâncio foi descoberto em 1939 por Margueritte Perey, do Instituto Curie em Paris, que descobriu um radioisótopo com vida média de 21 minutos, e com propriedades de um alcali pesado, nos produtos de decaimento do actínio. Mlle. Perey isolou este produto, determinou as suas propriedades radioquímicas e nucleares, e provou que era resultante da desintegração radioactiva do actínio. Propôs inicialmente o nome de "actínio K", de acordo com o sistema de nomenclatura para as fontes radioactivas naturais. Mais tarde, propôs o nome de "frâncio", em honra do sue país natal, a França.

Aparte alguns transuranianos, é o elemento mais instável que se conhece. A sua química tem sido pouco estudada, mas tudo leva a crer que se assemelha à dos restantes membros da familia, em particular à dos elementos mais pesados, como o rubídio e o césio.