Rosto
JCE
 
  1992
  1993
  1994
  1995
  1996
  1997
  1998
  Artigos
  Autores
  Outras
  Pesquisa

O Mocho do SoftCiências

 

Abstracts, em português, do
Journal of Chemical Education

1992


Autor: Mary B. Nakhieh
Data: Março de 1992
Título: Porque alguns alunos não aprendem Química
Artigo Original: Why Some Students Don't Learn Chemistry

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no JCE

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no JBC

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no Wiley Web

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no Chemical Processing

Neste artigo a autora chama a atenção para a importância dos conceitos alternativos sobre química que os alunos dos vários graus de ensino possuem. Apresenta como causa provável para a criação destes conceitos o facto de os alunos, desde o início dos seus estudos, não interpretarem adequadamente os conceitos químicos, não podendo assim compreender completamente os conceitos mais avançados e fundamentais.

A autora apresenta também um modelo cognitivo de aprendizagem, em que o conhecimento conceptual da química é baseado num modelo em que os estudantes constróem os seus próprios conceitos. De acordo com este modelo cognitivo de aprendizagem, os alunos gerem o seu próprio conhecimento baseados no seu passado, atitude, habilidade e experiência.

O modelo cognitivo de aprendizagem
A autora aborda o modelo cognitivo de aprendizagem em termos de:

  • Ciclo de aprendizagem. Os alunos recebem o fluxo de informação apresentada e as suas pré-concepções determinam qual a informação a que devem prestar atenção.
  • Estruturas cognitivas. Os estudantes de química interpretam os acontecimentos e fenómenos que observam, consoante o seu ponto de vista.
  • Conceitos e proposições. Cada estrutura cognitiva é composta de conceitos interrelacionados e cada conceito é ele próprio formado por um conjunto de ligações de simples proposições que representam o corpo do conhecimento que o estudante possui em relação a esse conceito.
  • Conceitos alternativos. Uma vez que os alunos constróem os seus próprios conceitos, a aquisição de um conceito químico difere daquele que o instrutor possui e que tentou transmitir.

Algum do trabalho que tem sido realizado em relação aos conceitos alternativos, desde 1980, é apresentado de seguida.

O conceito dos alunos em relação à natureza particular da matéria
O conceito errado sobre:

  • A matéria como um meio contínuo. Dividido em vários graus de ensino (básico e secundário) com exemplos ilustrativos.
  • Átomos e moléculas. Grau 12 (exemplos mais detalhados) e grau universitário.
  • Moléculas e forças intermoleculares. Exemplo: (...)os alunos tendem a identificar as forças intermoleculares com a ligação covalente dentro da molécula.
  • Mudanças de fase.
  • Natureza dos gases.

O conceito dos alunos sobre os aspectos cinéticos do modelo particular da matéria
O conceito errado sobre:

  • Equações químicas.
  • Mudança química. Modelos estáticos vs. dinâmicos; modelo de reacção aditiva; mudanças químicas vs. físicas.
  • Equilíbrio químico. Equação vs. entidade; graus de concentração e de reacção, aproximação aos problemas de LeChatelier.

As implicações destes conceitos alternativos
Algumas importantes implicações; exemplos verificados em estudos realizados e acções a tomar para combater os cnceitos alternativos.

Alexandre Paulo Santos Vieira


Autor: Marie Sherman
Data: Maio de 1992
Título: "A Química é divertimento" - Esboço para uma demonstração de Química muito absorvente
Artigo Original: "Chemistry is Fun" - An Outline for a Very Involving Chemistry Demonstration

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no JCE

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no JBC

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no Wiley Web

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no Chemical Processing

Neste artigo é desenvolvida uma demonstração química chamada "Química é divertimento". Leva os alunos a um envolvimento pessoal. Tem a duração de 50 minutos, podendo ser apresentada a 60 alunos.

Inicia-se com uma descrição da Química como "ciência central" através de um acetato com a química no meio e os nomes das carreiras a ela ligadas irradiadas do centro. Utilizando as inicias C-H-E-M dá-se início ao "espectáculo".

C - Colour Changes. Num papel escreve-se a palavra BEM-VINDOS com soluções incolores de fenolftalaína e timoftalaína. Com um spray de soluções de hidróxido de sódio aparece a palavra. Recorre-se a combinações de soluções para formar precipitados coloridos.

H - Heat and Cold. Apresentação de reacções exotérmicas e endotérmicas com dissolução de bicarbonato de sódio e cloreto de cálcio.

E - Energy and Explosions. Combustão de metanol líquido e explosão do metanol gasoso quando misturado com o ar.

M - Marvelous Molecules. Introdução aos polímeros. Referências e apresentação do polímero superabsorvente (poliacrilato de sódio).

Termina-se com uma pequena discussão com a resolução de um pequeno teste de avaliação.

António José Fontoura Leonardo


Autor: Buccigross, Jeanne M.
Data: 1992
Título: Cromatografia de T-Shirts
Artigo Original: T-Shirt Chromatography

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no JCE

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no JBC

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no Wiley Web

Procurar artigos sobre o mesmo assunto no Chemical Processing

Neste artigo o autor indica dois métodos para pintar T-Shirts aplicando os princípios da cromatografia. Refere que as condições para fazer um cromatograma nas T-Shirts é diferente da maneira tradicional, no entanto os resultados obtidos são bastante satisfatórios pois esta tarefa é, para além de divertida, informativa, tanto para as crianças como para os instrutores. A aplicação desta técnica nas T-Shirts torna-as únicas visto que uma cromatografia não é rigorosamente repetida não se conseguindo obter sempre a mesma separação.

Topo
Rosto